Dica Cultural

Alô povo de Brasília, tem “Parem de Falar Mal da Rotina” vindo aí! Vai perder?

 

Publicado em Agenda | Com a tag , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Casa Poema na Itália

A Casa Poema foi representada por Marcelo Demarchi em um evento promovido pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) – Brasil em Turim, na Itália, cujo objetivo era oferecer o Curso de Formação para o Empreendedorismo dos Jovens. Além do Brasil, estavam presentes representantes dos países: Portugal, Cabo Verde, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Guiné Bissau e Timor Leste. Marcelo apresentou o projeto “Versos de Liberdade” da Bahia e contou sobre a história e metodologia da Casa Poema. A apresentação foi inovadora e impactante, segundo ele. Confira as fotos:

 

11053423_959004160808827_8392752066511509272_n 11700777_10207486886518765_3590332603323361797_o 11709499_959004104142166_1230031185137253923_n 11709803_959005250808718_3305984416354155692_o 11751944_959004344142142_4592858043020250378_n

Publicado em Eventos | Com a tag , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Elisa em Anápolis

Confira algumas fotos da oficina “O ator declamador” que Elisa Lucinda fez na 24ª Mostra de Teatro de Anápolis. Foi um sucesso!

11781896_847157808701985_4583757673201367017_n

11800181_847157862035313_7105114912378240408_n

Publicado em Oficinas | Com a tag , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Feliz dia dos avós!!

A  AVÓ

A avó, que tem oitenta anos,
Está tão fraca e velhinha! . . .
Teve tantos desenganos!
Ficou branquinha, branquinha,
Com os desgostos humanos.

Hoje, na sua cadeira,
Repousa, pálida e fria,
Depois de tanta canseira:
E cochila todo o dia,
E cochila a noite inteira.

Às vezes, porém, o bando
Dos netos invade a sala . . .
Entram rindo e papagueando:
Este briga, aquele fala,
Aquele dança, pulando . . .
A velha acorda sorrindo,
E a alegria a transfigura;
Seu rosto fica mais lindo,
Vendo tanta travessura,
E tanto barulho ouvindo.

Chama os netos adorados,
Beija-os, e, tremulamente,
Passa os dedos engelhados,
Lentamente, lentamente,
Por seus cabelos, doirados.

Fica mais moça, e palpita,
E recupera a memória,
Quando um dos netinhos grita:
“Ó vovó! conte uma história!
Conte uma história bonita!”

Então, com frases pausadas,
Conta historias de quimeras,
Em que há palácios de fadas,
E feiticeiras, e feras,
E princesas encantadas . . .

E os netinhos estremecem,
Os contos acompanhando,
E as travessuras esquecem,
— Até que, a fronte inclinando
Sobre o seu colo, adormecem . . .

Olavo Bilac

Publicado em Poesia | Com a tag , , , , , , , | Deixar um comentário

Aos escritores, um feliz dia!

Para homenagear vocês, separamos essa poesia, que diz muito sobre o fazer diário do escritor.

Exceção: Bernanos, que se dizia escritor de sala de jantar

 

Por que é o mesmo o pudor
de escrever e defecar?
Não há o pudor de comer,
de beber, de incorporar,
e em geral tem pudor
quem pede do que quem dá.
Então por que quem escreve,
se escrever é afinal dar,
evita gente por perto
e procura se isolar?

Escrever é estar no extremo
de si mesmo, e quem está
assim se exercendo nessa
nudez, a mais nua que há,
tem pudor de que outros vejam
o que deve haver de esgar,
de tiques, de gestos falhos,
de pouco espetacular
na torta visão de uma alma
no pleno estertor de criar.

(Mas no pudor do escritor
o mais curioso está
em que o pudor de fazer
é impudor de publicar:
com o feito, o pudor se faz
se exibir, se demonstrar,
mesmo nos que não fazendo
profissão de confessar,
não fazem para se expor
mas dar a ver o que há.)
JOÃO CABRAL DE MELO NETO

Publicado em Poesia | Com a tag , , , , , , | Deixar um comentário

Aniversariante do dia

Um viva para Solano Trindade!! Esse poeta tão fantástico estaria completando 107 anos hoje. Veja abaixo o poema que separamos para homenageá-lo:

 

SOU NEGRO – Solano Trindade

Sou negro
meus avós foram queimados
pelo sol da África
minh`alma recebeu o batismo dos tambores
atabaques, gongôs e agogôs

Contaram-me que meus avós
vieram de Loanda
como mercadoria de baixo preço
plantaram cana pro senhor de engenho novo
e fundaram o primeiro Maracatu

Depois meu avô brigou como um danado
nas terras de Zumbi
Era valente como quê
Na capoeira ou na faca
escreveu não leu
o pau comeu
Não foi um pai João
humilde e manso

Mesmo vovó
não foi de brincadeira
Na guerra dos Malês
ela se destacou

Na minh`alma ficou
o samba
o batuque
o bamboleio
e o desejo de libertação

 

Publicado em Sem categoria | Com a tag , , , , , | Deixar um comentário

Festival de Teatro de Anápolis

A Casa Poema está sendo representada por Elisa Lucinda e Geovana Pires no 24ª Mostra de Teatro de Anápolis, em Goiás. Elisa vai também comandar a oficina “O ator declamador” e ser júri da mostra. Paralelamente, acontece o  9° Festival de Teatro de Anápolis, que foi estreado com a peça “Um Recital À Brasileira”. Foi um sucesso!!

Confira abaixo abaixo algumas fotos:

1549215_845957982155301_4761028048088750066_n 11014954_845957888821977_2920687248115773679_n 11227056_845957955488637_4555693337196933742_n 11755875_846192848798481_2486261623786491925_n

 

Publicado em Eventos | Com a tag , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Dia de Proteção às Florestas

“Floresta é palco de ave
Museu de sonho e de flor
Vamos cuidar com carinho
Do que Deus fez com amor”
FAGNER

Hoje é o Dia de Proteção às Florestas, data criada para conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação das florestas para a qualidade de vida da humanidade.

A letra dessa música, Canção da Floresta, do cantor Fagner, é perfeita para refletirmos sobre o dia de hoje.

Publicado em Vídeos | Com a tag , , , , , , , , , , , , , | Deixar um comentário

Dia do Homem

Você sabia que hoje é comemorado no Brasil o Dia do Homem? Esta data foi inspirada no Dia Internacional do Homem e tem o objetivo de conscientizar a população masculina sobre os cuidados que devem tomar com a saúde. Para o dia de hoje, separamos esse poema de Jô Soares:

O HOMEM PERFEITO

O homem perfeito é lindo
Tem um pouco de mistério
É belo quando está rindo
E belo quando está sério

O homem perfeito é bom
Tem um jeito carinhoso
Quando fala em meigo tom
Causa arrepio gostoso

O homem perfeito é fino
É solicito, é fiel
Tem a graça de um menino
E é mais doce que o mel

O homem perfeito adora dar flores
Botões de rosa
A uma velha senhora
Ou uma jovem formosa

O homem perfeito tem a energia
Não se cansa, lava a louça
Cozinha, gosta muito de criança

O homem perfeito é sensível
A grande arte, gosta de dança e balé
Nunca há de magoar-te

Pra encerrar a preceito
Esses versos que alinhei
Se existe um homem perfeito
Ele só pode ser gay.

Jô Soares

Jô Soares

Publicado em Sem categoria | Com a tag , , , , , , , , , | Comentários desativados em Dia do Homem

Vinícius de Moraes

Hoje é aniversário de morte de Vinícius de Moraes. Separamos uma poesia dele para homenagear este dia.

A MORTE

A morte vem de longe
Do fundo dos céus
Vem para os meus olhos
Virá para os teus
Desce das estrelas
Das brancas estrelas
As loucas estrelas
Trânsfugas de Deus
Chega impressentida
Nunca inesperada
Ela que é na vida
A grande esperada!
A desesperada
Do amor fratricida
Dos homens, ai! dos homens
Que matam a morte
Por medo da vida.

Vinícius de Moraes

1198061573-vinicius-de-moraes-o-poetinha

Publicado em Poesia | Com a tag , , , , , , , , , , | Comentários desativados em Vinícius de Moraes